A Dama do Falcão – Marion Zimmer Bradley

Seguindo a ordem cronológica é o “terceiro” livro da série Darkover. Saindo da Era do Caos e entrando no período do Cem Reinos, este livro vem cerca de 150 anos depois de Rainha da Tempestade.

Temos uma protagonista feminina, Romilly MacAran, uma adolescente, filha de nobres que tem herdou os poderes da família (laran) relacionados com o treinamento de animais. Precisará aprender a dominar sozinha seus poderes psíquicos latentes para garantir sua própria sobrevivência.

Ela é um espírito livre, que adora animais e a natureza, mas que está no período de transição de menina-moça para mulher. Com isso, seu estilo de vida, que inclui cavalgadas, caçadas e adestramento de animas está ameaçado. Logo ela teria de se enquadrar no papel de uma dama, casar-se, ter filhos, etc.

O livro explora questões relacionadas ao lugar das mulheres na sociedade e conflitos entre as duas principais religiões de Darkover. Há também uma guerra civil acontecendo uma disputa pelo poder entre Rakhal, o usurpador, e Carolin, o rei exilado. Em meio a ação, descobertas e privações, o livro é uma jornada de transformação da protagonista que precisará superar diversos obstáculos para descobrir um caminho diferente do prescrito para ela por seu pai e pela sociedade.

Marion é uma autora experiente e um de seus pontos fortes a construção de personagens femininas. É mais bom título dessa série de Romances Planetários.

Leia Mais

O Espadachim de Carvão – Affonso Solano


Bem, eu cheguei a esse livro às cegas, sem nenhuma indicação e nenhuma informação a respeito. Sua descoberta foi uma ótima surpresa!

Se prepare para adentrar num novo mundo povoado por estranhas criaturas e deuses nada convencionais. O Espadachim de Carvão nos apresenta Adapak, um jovem semi-deus do mundo de Kurgala. Ele é um ser singular e um guerreiro de habilidade incomparável, mas também um sujeito inteligente e inocente.  Ele apendeu muito sobre o mundo em livros, mas viveu a maior parte de sua vida isolado da civilização.

Agora, teve que abandonar seu lar e está sendo perseguido por assassinos e não tem a menor ideia do porquê eles o perseguem. Tudo que eles dizem é uma palavra que para ele não tem sentido: Ikibu.

A primeira vista, parece tratar-se de uma estória de fantasia, mas ao longo da leitura, vão surgindo algumas dúvidas a este respeito e, mesmo havendo um forte sabor do gênero espada e feitiçaria (sword and sorcery) na obra, surgem sugestões de explicação fora do ramo sobrenatural para o mundo de Kurgala, seus deuses, povos e magia. Então, como o livro não entra em detalhes quanto a estas explicações, senti que ele mais se aproxima do gênero romance planetário, ou seja, um romance de ficção científica cuja parte científica fica em segundo plano. Algo como O Planeta dos Dragões, de Jack Vance.

É um livro recheado de muita ação, com cenas de batalhas bem descritas, com um toque cinematográfico. É também um thriller de mistério, no qual, ao mesmo tempo que Adapak é perseguido, precisa desvendar alguns mistérios… Como seus assassinos sempre o localizam? Quem quer sua cabeça? Etc.

Que sorte que há humanos em Kurgala, pois eles são a única âncora para que possamos nos localizar e imaginar esse mundo repleto de raças inteligentes e animais fantásticos. Nekelmurianos, gisbarianos, usharianianos, etc, são muitas raças exóticas (com nomes exóticos) que convivem neste mundo, e como somos apresentados a muitas raças, em alguns momentos, me senti um pouco perdido e com dificuldade para imaginar, nada que prejudique o global, é claro. O tipo do livro que deveria vir acompanhando de um atlas, ou bestiário.

Tem muitos personagens secundários interessantes, mas a aparição e permanência deles na narrativa é um pouco curta… Quando estamos começando a gostar deles, lá se vai Adapak para outro canto… Do ponto de vista de temas, é notável a crítica a respeito de drogas e prostituição, vistas do ponto de vista inocente do protagonista. Acho que o aspecto que mais gostei neste livro foi o uso de metalinguagem. Adapak passou boa parte de sua infância lendo livros dados por seu pai, o deus Dingirï, Enki’När. Entre estes, havia livros de aventura que só conhecemos os títulos e algumas alusões, as aventuras de Tamtul e Magano. Os títulos destes livros imaginários já valem o livro… Fiquei viajando imaginando essas estórias.

  • Tamtul e Magano contra a ampulheta da Rainha Estátua;
  • Tamtul e Magano contra o terror do abismo vermelho;
  • Tamtul e Magano em busca da torre invertida;
  • Tamtul e Magano e o elmo do imperador sorridente;
  • Tamtul e Magano contra o gigante de vidro;
  • Tamtul e Magano contra a ampulheta da Rainha Estátua;
  • Tamtul e Magano contra o olho de Pht’Angü;
  • Tamtul e Magano contra o terror do abismo vermelho;
  • Tamtul e Magano e o tesouro da ilha submersa;
  • Tamtul e Magano contra a ameaça de Rumbaba;
  • Tamtul e Magano e os muros da fortaleza de areia.

Não gente, fala que não é o máximo?

No frigir dos ovos, é um livro legal sim, principalmente pela originalidade. Mas é um pouco rápido demais e em alguns momentos senti falta de descrições melhores, tanto dos personagens como dos cenários. Um bom livro de estréia. Descobri agora que saiu uma continuação, então espero que autor apresente alguma evolução em seu texto para que seja uma obra mais “redondinha”.

Enfim, se você está em busca de uma aventura diferente, com mitologia própria, ação, mistério, narrativa contemporânea, seu livro é O Espadachim de Carvão, livro de estréia do escritor Affonso Solano.

Veja mais no site do livro: http://espadachimdecarvao.com/

Leia Mais

Rainha da Tempestade – Marion Zimmer Bradley

A RAINHA DA TEMPESTADEQuando eu era moleque, li o primeiro livro da série Darkover, chamado A Chegada em Darkover. Essa é uma série de livros, com mais de 15 títulos, muito famosa que mescla ficção científica com fantasia. Também é considerado como do subgênero Romance Planetário. A premissa da série advém da colonização acidental deste planeta, que orbita uma gigante vermelha e tem quatro luas, por humanos. Muitos anos após a colonização, o uso de tecnologia se torna mais restrito e a sociedade entra num período feudal, com existência de guerras e disputas de famílias nobre sobre diversos feudos.

A Rainha da Tempestade se passa mil anos depois da chegada dos humanos e sua trama gira em torno de duas figuras principais, Allart, um dos principais herdeiros da mais forte família Hastur e Dorilys, uma menina-moça, herdeira do domínio de Aldaran e que possui fortes poderes psíquicos aqui chamados de laran.

Allart possui o laran da presciência e é atormentado por ele. Outra coisa que o incomoda é o programa de reprodução coordenado pelas leronis a fim de perpetuar e ampliar a existência dos poderes psíquicos nas linhagens nobres. Ao lado de Allart surgem outras figuras femininas fortes como Cassandra e Renata, também portadoras de laran. Já Dorilys é uma jovem voluntariosa que luta contra a maldição de seus próprios poderes. Personagens femininos fortes são uma característica conhecida das obras da autora, como por exemplo a série As Brumas de Avalon.

Como temas dominantes vemos a questão do sexismo, sexualidade, mau uso da tecnologia, orgulho, amor e submissão. É uma obra que se aproxima mais de fantasia do que de ficção científica. A própria questão dos poderes psíquicos e da super-ciência tornam a parte científica mais parecida com magia efetivamente.

Os conflitos internos nos personagens, algumas reviravoltas no enredo e algumas questões interessantes da ambientação tornam a leitura do livro agradável prendendo a atenção do leitor. Não é exatamente um livro de aventuras, apesar de haver alguma ação, de maneira que ficamos focados no desenrolar da trama dentro da temática explorada. Ao tempo todo, ficamos na expectativa de um desenrolar trágico se se confirma em alguns casos e em outros não.

Voltar a ler essa série foi bom e despertou a curiosidade para ler os demais livros. Um aspecto que parece interessante na série é que o fato dos livros funcionarem como estórias independentes e serem agrupados por eras, como a Era do Caos, Os Cem Reinos, Reencontro, etc.

Enfim, Rainha da Tempestade é um livro já um pouco antigo(1978), escrito por uma autora consagrada e que apresenta uma mistura de fantasia com ficção científica, trama interessante, personagens fortes, locações que estimulam a imaginação e a discussão de alguns temas presentes nos conflitos de poder que vemos em nossa sociedade.
Vale a leitura, recomendo!

Leia Mais

O Planeta dos Dragões – Jack Vance (The Dragon Masters)

Dragon MastersEste livro não estava na minha lista de leitura, mas me animei para ler por ser bem curtinho e por que o autor, Jack Vance, é citado no “100 Must Read Fantasy Novels”. O livro dele que está na fila é “The Dying Earth”. Mas voltemos ao planeta dos dragões (The Dragon Masters, no original).

A história se passa no planeta Aerlith onde vivem (talvez) os últimos seres humanos do universo. A tecnologia que levou os homens até ali já se perdeu há muito tempo e a sociedade tornou-se feudal. É uma mistura de ficção científica com fantasia. Joaz Bambeck é o senhor do Vale Bambeck, um feudo com histórico de lutas contra o governado por seu vizinho Ervis Carcolo. Joaz acredita que os Básicos, alienígenas escravagistas que fazem incursões periódicas em seu planeta, estão prestes a retornar. Carcolo não acredita em Joaz  e decide que é hora de acertar as contas com os Bambeck. Os senhores de Arlith criam e treinam dragões para guerras. Em meio à guerra indesejada entre os feudos vizinhos Joaz e Ervis terão de lidar com uma nova incursão dos Básicos.

Outra coisa que chama a atenção nele são os sacerdotes ascetas que andam nus em são devotos da verdade e conhecimento. O conceito de tand introduzido pelo autor no contexto destes sacerdotes é muito interessante.

O Planeta dos Dragões recebeu, em 1963, o prêmio Hugo de melhor conto (mas por seu tamanho beira o tamanho de uma noveleta). Enfim, é um livro curtinho e bom de se ler, com poucos, mas bons personagens e uma trama bem enxuta e sem enrolações.

Leia Mais